Quinta-feira, 20 de Agosto de 2015
Fonte: Valor Econômico

Ver matéria original
 
Confederações pedem 'correção de rumos'
 
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e as confederações nacionais da Indústria (CNI), do Transporte (CNT) e da Saúde (CNS) lançaram ontem uma carta à nação defendendo diálogo em busca de uma correção de rumos que tire o país de uma "crise ética, política e econômica".

"A história do Brasil julgará todos aqueles que neste momento se opuserem a contribuir com a não ocorrência do caos completo", disse o presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coelho. "Julgará todos aqueles que não possam contribuir para que o Brasil não tenha segurança jurídica e um ambiente de retomada do crescimento", acrescentou.

A carta diz que "a corrupção não pode seguir como um empecilho para o desenvolvimento do país". Mas evita falar a favor ou contra um impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Não queremos ser 'longa manus' do governo nem auxiliar da oposição. É possível ter propostas para o país independentemente disso", disse Coelho.

Segundo o texto, é preciso que "as forças políticas, de diversos matizes, trabalhem para a correção de rumos da nação". As entidades defendem mudanças estruturais como medidas para corte de gastos governamentais e segurança jurídica.

"Independentemente de posições partidárias, a nação não pode parar nem ter sua população e seu setor produtivo penalizados por disputas ou por dificuldades de condução de um processo político que recoloque o país no caminho do crescimento", diz a carta.

O texto acrescenta que a tarefa para um diálogo e uma retomada do crescimento se inicia pelo Executivo, mas exige envolvimento do Congresso, Judiciário e de toda a sociedade. Também defende a necessidade de fortalecer os órgãos de investigação e o Judiciário para que, nos casos de corrupção, inocentes sejam absolvidos e culpados condenados.

A carta pede medidas para melhorar o ambiente de negócios do país e evitar o crescimento do desemprego ou o prolongamento da recessão. Também defende a desburocratização do país, para garantir um ambiente melhor de negócios.

Pede ainda investimentos em infraestrutura, em parceria com a iniciativa privada nacional e estrangeira, a redução do tamanho do Estado e a reforma tributária para eliminar "fontes de cumulatividade e garantir direitos dos contribuintes".

O texto também defende a redução de gastos públicos pelo enxugamento da máquina administrativa, a sustentabilidade de investimentos em saúde e educação. "Esperamos ter a sensibilidade dos políticos eleitos para a implementação de uma agenda que abra caminhos para a superação das crises e para a redução da confiança dos brasileiros", conclui.

As entidades também anunciaram a criação de um fórum permanente para apresentar propostas para "a construção de um Brasil democrático e próspero".

Ao comentar o lançamento da carta, o presidente da OAB destacou que as entidades se opõe a "qualquer tipo de intervenção militar" no Brasil. "Qualquer saída para o país tem que seguir os marcos da Constituição. Não temos saudade da voz única do autoritarismo, da ditadura", afirmou.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, disse que a população passa por um "pessimismo generalizado" por não saber quando o Brasil sairá da crise e defendeu propostas que possam ir além das pautas corporativas de cada entidade.

Ontem, Dilma Rousseff não conseguiu levar ao Palácio do Planalto os 20 representantes do PIB nacional convidados para uma reunião formalmente convocada para discutir sobre a visita oficial da chanceler Angela Merkel e os acordos internacionais que serão firmados entre Brasil e Alemanha. Apenas 12 compareceram, segundo lista de presentes divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República. Participaram do encontro Benjamin Steinbruch, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Carlos Fadigas, da Braskem, Carlos Mariani, da PIN Petroquímica, Gunnar Nebelung e Waldemir Loto, da Amaggi, Ingo Plöger, do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal), Marco Stefanini, da Stefanini, Paulo Tigre, da DHB Indústria e Comércio LTDA, Pedro Faria, da BRF, Pedro Wongtschowski, da Ultrapar, Ralph Lima Terra, da Abdib e Rubens Ometto, da Cosan. Não foram a Brasília Jorge Gerdau, Murilo Ferreira, da Vale, Ricardo Marino, do Itaú, e Frederico Curado, da Embraer, que haviam sido convidados.

Acompanharam a reunião os ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil, Armando Monteiro Neto, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Joaquim Levy, da Fazenda, Kátia Abreu, da Agricultura, e Nelson Barbosa, do Planejamento, e Mauro Vieira, das Relações Exteriores.

 Índice de notícias    Enviar por e-mail    Imprimir    Página inicial
Copyright © 2001-2019 Abdib. Todos direitos reservados.ClickW